7 princípios para projetar uma rede blockchain para alimentar e sustentar seu negócio

fevereiro 7, 2017 5:00 pm Publicado por Deixe um comentário

Para a tecnologia blockchain, o ano de 2016 foi basicamente sobre ganhar mindshare. E 2017 será sobre como ganhar market share. Essa participação de mercado será determinada pela forma como as redes de negócios evoluem. Neste artigo, compartilharei as lições aprendidas com os compromissos com clientes e desenharei os princípios e considerações-chave para a criação de redes de negócios sustentáveis blockchain, para aumentar a participação de mercado.

Como eu disse anteriormente, a promessa do blockchain é uma rede de negócios baseada em confiança e plataforma para desintermediação, levando a eficiências de mercado e custo. Nos últimos anos, nós nos concentramos na maturidade e no consumo de tecnologia blockchain por empresas e negócios para aliviar os pontos de dor e preparar o caminho para novos modelos de negócios. As indústrias e as empresas que perceberam o potencial do blockchain estão começando agora a remodelar redes do negócio que estão sobrecarregadas com os custos sistêmicos de processos, papelada e tecnologia arcaicos.

Orientações de negócios e evolução

Em um passado não tão distante, as empresas tiveram que executar sistemas internos de negócios e infraestrutura de TI para a Internet e aproveitar o potencial colaborativo de sistemas interligados e acessíveis. A tecnologia blockchain leva isso para o próximo nível com a verdadeira interação digital facilitada por redes de negócios confiáveis. Em contraste com a era da Internet, na qual as empresas bem-sucedidas adotaram e se adaptaram aos desafios tecnológicos, na era blockchain, o motor da proliferação é o negócio, e não a tecnologia.

Embora a tecnologia blockchain sozinha seja interessante, muitos outros mecanismos de uma rede de negócios precisam ser avaliados também, incluindo, mas não se limitando a:

  • Modelos de consenso: Que sistema de confiança é apropriado para a rede de negócios?
  • Controle e governança: Quais entidades têm permissão para fazer o quê? Quem possui e inicia o processo de investigação em caso de anomalia do sistema?
  • Geração de ativos digitais: Quem gera o ativo no sistema e quem o gere?
  • Autoridade para a emissão: Em um sistema verdadeiramente descentralizado, a noção de autoridade simplesmente não cola. Quem é responsável pela governança, culpabilidade e, eventualmente, regulamentos?
  • Considerações de segurança: Como serão abordadas a segurança da empresa e os novos desafios de segurança impostos por uma rede de negócios compartilhada?

Eu vislumbro uma rede de blockchain que é construída especificamente e focada em uma pluralidade de domínios de negócios, como hipotecas, pagamentos, trocas, compensação e liquidação de um tipo de ativo específico. Num contexto empresarial, prevejo uma rede centralizada que é um consórcio consensual entre entidades empresariais afins. Há muitas razões práticas para apoiar essa visão, e elas incluem:

  • Linguagem de negócios de domínio específico, levando à construção, ao gerenciamento e à governança de contratos inteligentes como representação de negócios proxy.
  • Tipos de ativos, que conduzem à governança, à gestão e à avaliação (para troca, fungibilidade etc.) da representação digital de ativos.
  • Regulação, uma vez que todas as redes da indústria e das empresas são regulamentadas separadamente, a carga de adesão e os custos relacionados são partilhados na rede comercial.
  • Outras funções de negócios relacionadas, tais como análise, analytics, dados de mercado etc.

Princípios de design para assegurar sustentabilidade

Com base no meu artigo anterior, vamos olhar para além de iniciar uma rede e considerar o essencial para garantir a sustentabilidade e longevidade de uma rede blockchain.

Agora, vamos olhar para as considerações gerais e as implicações tecnológicas desses princípios. Como você pode aplicá-los pode variar dependendo de seus casos de uso e da indústria.

Projetando para coexistência com sistemas de registro existentes

A integração empresarial, especialmente com os sistemas adjacentes, é uma consideração de custo importante. A integração não é apenas uma consideração de negócios, mas também uma consideração de tecnologia, devido aos sistemas de transações downstream que afetam os sistemas de negócios críticos. No meu trabalho com clientes, a integração de sistemas adjacentes tem um impacto de custo significativo em projetos blockchain e, se não for abordada no início das etapas de planejamento, ela pode afetar adversamente a adoção da empresa.

Considerações operacionais também são importantes. Ao garantir os elementos de comércio, confiança e propriedade – e as propriedades inerentes de blockchain, tais como imutabilidade, proveniência e consenso –, um sistema de confiança pode ajudar a eliminar sistemas e processos redundantes e duplicados. Esses sistemas duplicados custam recursos significativos, levando ao processamento de transações atrasadas e custos de oportunidade associados. O objetivo deve ser o de abordar o ponto de dor fundamental do processo existente, levando a um ledger plano e transparente que aumenta a confiança, economiza tempo e custos significativos e oferece um melhor serviço ao cliente.

Projetando para extensibilidade de rede

Projetar para extensibilidade significa que a implementação leva em consideração o crescimento futuro. Extensibilidade é uma medida sistêmica da capacidade de estender um sistema e o nível de esforço necessário para implementar as extensões. O design da rede de negócios blockchain deve visar à extensibilidade não apenas para acomodar a natureza dinâmica das empresas (regulação, pressões competitivas, dinâmica de mercado), mas também para acomodar o crescimento da rede (adição de reguladores, criadores de mercado, interrupções, prestadores de serviços etc.).

As considerações de projeto para garantir a extensibilidade da rede incluem:

  • Flexibilidade com filiação. A rede pode começar com um conjunto finito de participantes e funções, mas os novos participantes podem querer aderir à rede e outros podem querer deixá-la. Deve-se considerar a mecânica das mudanças na filiação, incluindo o acesso a dados (compartilhados). O tipo de membro também é uma consideração importante no projeto, uma vez que as funções e o tipo de membros podem mudar conforme a tecnologia blockchain interrompa ou tire a intermediação de certos tipos de associação.
  • Calcular equidade. Este é um conceito bastante nascente, pois há uma divisão entre sistemas de confiança baseados em sistemas de criptoconversão e confiança baseados em equidade computacional. Os custos e a manutenção de infraestrutura sustentável em longo prazo estão diretamente relacionados aos tipos de participantes e seus interesses comerciais na rede de negócios. Por exemplo, os modelos de custo dos reguladores serão muito diferentes dos modelos de custos do beneficiário primário de uma rede de negócios alimentada por blockchain.
  • Interesses comerciais compartilhados. As redes de negócios alimentadas por blockchain prometem vantagens específicas para o negócio, tais como risco reduzido, uma rede de transações confiável e previsível, redução do custo de conformidade etc. Mas interesses comerciais compartilhados levam a outras considerações operacionais, como compartilhamento de dados e propriedade de dados à medida que as entidades aderem e saem da rede. As regulamentações em torno da propriedade de dados também mudam de tempos em tempos e, em seguida, há exigências da indústria para a durabilidade dos dados. Essas considerações devem ser avaliadas em profundidade ao projetar um sistema de blockchain.
  • Governança. Este é um tópico amplo que varia de gerenciar e manter artefatos técnicos, como uma infraestrutura de tecnologia, a governar dados e contratos inteligentes em uma rede blockchain. É melhor encaixar a governança nestas categorias:
  1. Rede/governança de tecnologia blockchain
  2. Governança de dados blockchain
  3. Governança inteligente de contratos blockchain
  4. Governança de gerenciamento de transações blockchain

O objetivo é garantir que a rede tenha não apenas elementos operacionais sustentáveis, mas também elementos sustentáveis de crescimento empresarial. Por exemplo, um modelo sustentável permitiria que cada participante implantasse o chaincode que governasse seus próprios processos de negócio enquanto aceitassem/tratassem os recursos digitais e pusessem os participantes do negócio no controle dos processos de negócio em mudança, das políticas e dos requisitos reguladores.

Sustentabilidade – caminho sem volta

À medida que as redes de negócios baseadas em blockchain evoluem e crescem, não há como voltar atrás em questões sistêmicas, como modelos de confiança, visibilidade de dados e vantagem competitiva, ao explorar a rede para os custos compartilhados de fazer negócios.

Um foco profundo na sustentabilidade é paradoxal na medida em que promove a inovação colaborativa aberta ao bloquear alguns dos ideais, como sistemas de consenso ou confiança e sistemas de governança que governam os ativos, contratos inteligentes e interação geral em uma rede de transações multipartidária. Essas considerações são essenciais para a concepção de sistemas blockchain sustentáveis.

Para uma abordagem de quatro passos para a adoção da empresa blockchain e design de sistemas de rede, consulte o meu artigo, Path to blockchain enterprise adoption: A prescriptive approach.

Resumo

Enquanto debatemos os méritos de assinar as transações versus a mineração das transações para estabelecer a confiança na rede, a rede de negócios alimentada por blockchain é limitada apenas pelas aspirações das redes de negócios atuais à medida que evoluem. Não é um problema de tecnologia, mas uma questão de ambição de negócios.

O design bem-sucedido do sistema da rede de negócios deve se alinhar bem com os princípios de blockchain (comércio, confiança, propriedade e transacionalidade em um cenário multipartidário). Caso contrário, as redes de negócios podem nunca realizar a promessa da tecnologia blockchain de uma forma sustentável. Para apoiar e sustentar o crescimento, estas considerações de projeto são primordiais:

  1. Os participantes da rede devem ter o controle de seus negócios.
  2. A rede deve ser extensível, de modo que os participantes tenham flexibilidade na adesão e na saída da rede.
  3. A rede deve ser autorizada mas protegida, a fim de proteger dados competitivos, facilitando as transações de peer-to-peer.
  4. A rede deve permitir o acesso aberto e a colaboração global para a inovação coletiva.
  5. A rede deve ser escalável tanto para processamento de transações quanto para processamento de dados criptografados.
  6. A rede deve acomodar a segurança corporativa ao abordar os novos desafios de segurança de uma rede empresarial compartilhada.
  7. A rede deve coexistir com sistemas existentes de sistemas de registro e transação.

***

Nitin Gaur faz parte do time de colunistas internacionais do iMasters. A tradução do artigo é feita pela redação iMasters, com autorização do autor, e você pode acompanhar o artigo em inglês no link: https://developer.ibm.com/blockchain/2017/01/01/7-principles-for-designing-a-blockchain-network-to-power-and-sustain-your-business/

Source: IMasters

Categorizados em:

Este artigo foi escrito pormajor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *