A história por trás do mapeamento impressionante do Pokémon Go

agosto 1, 2016 6:00 pm Publicado por Deixe um comentário

pokemon-1

Se você viu dezenas de pessoas se reunindo silenciosamente em parques e estações de trem no final recentemente em várias partes do mundo, elas provavelmente estavam apenas ocupadas tentando pegar um Pidgeotto.

O Pokémon Go da Niantic, jogo mobile de realidade aumentada, tornou-se um fenômeno global desde que foi lançado no início de julho na Austrália, antes de ser lançado nos EUA. O jogo exige que os jogadores explorem o mundo real para encontrar Pokémon, coletar itens em Pokéstops e conquistar ginásios, e muito trabalho foi feito com relação ao mapeamento do jogo.

John Hanke, CEO e fundador da Niantic, é um veterano do Google. Ele foi um dos fundadores da Keyhole, a empresa que o Google comprou para iniciar o Google Earth, e tinha uma mão no Google Maps antes de formar a Niantic. A empresa foi desmembrada da empresa-mãe Alphabet do Google em 2015.

Para Hanke, um mapeamento preciso foi parte integrante do Pokémon Go. “Muitos de nós trabalhamos no Google Maps e no Google Earth por muitos e muitos anos, por isso queremos que o mapeamento seja bom”, disse ao Mashable.

Como os locais e os ginásios foram escolhidos para os Pokéstop

Todos aqueles obcecados pelo Pokémon Go devem um grande agradecimento para outro conjunto de jogadores.

Ingress, jogo multiplayer de realidade aumentada, foi lançado em beta pela Niantic em 2011. Seus usuários são responsáveis por ajudar a criar o conjunto de dados que determina onde Pokéstops e ginásios aparecem no Pokémon Go.

Nos primeiros dias do Ingress, a Niantic formou um conjunto inicial de locais de portais para o jogo com base em locais históricos, bem como um conjunto de dados de obras de arte públicas, extraído a partir de imagens geo-tag do Google. “Nós basicamente definimos os tipos de lugares que queríamos que fizessem parte do jogo”, disse Hanke. “Coisas que eram obras de arte públicas, que eram locais históricos, que eram edifícios com um pouco de história única de arquitetura ou característica, ou empresas locais únicas”.

pokemon-2

pokemon-3

A equipe, então, pediu aos jogadores do Ingress para enviar lugares que eles achavam que eram dignos de serem portais. “Houve cerca de 15 milhões de envios, e nós temos aprovado na ordem de 5 milhões desses locais no mundo inteiro”, disse Hanke.

O conjunto de dados do portal do Ingress se tornou tão forte, que ele foi escolhido como o ponto de partida para o Pokémon Go. Alguns dos portais mais populares do Ingress dentro de uma determinada localização geográfica são ginásios no novo jogo, enquanto os mais próximos e populares se tornaram Pokéstops.

Graças aos esforços dos usuários do Ingress, você deve ser capaz de encontrar Pokéstops em quase qualquer lugar, embora você possa ter problemas em alguns dos cantos mais remotos da Austrália.

“Os Pokéstops são submetidos pelos usuários, então obviamente eles estão baseados em lugares aos quais as pessoas vão”, disse Hanke. “Tivemos, essencialmente, dois anos e meio de pessoas que vão a todos os lugares onde eles achavam que deveriam ser capazes de jogar o Ingress, por isso é que temos alguns lugares bastante remotos. Há portais na Antártica e no Polo Norte, e em muitos pontos entre eles”.

Qual Pokémon aparece onde

Decidir qual Pokémon iria aparecer em um determinado lugar necessitou de todo um conjunto extra de dados de mapeamento.

Marcadores geográficos do mapa criado para o Pokémon Go ajudam a determinar o habitat do Pokémon. “Nós atribuímos valores com base na existência de um local com água em uma área – como um córrego, um rio, um lago – se as áreas são designadas como jardins zoológicos ou parques, ou outros tipos de designações de mapeamento”, disse Hanke.

Isso significa que, em sua maior parte, um Pokémon do tipo água, como Magikarp e Squirtles, deve aparecer perto da água.

Embora ele não possa revelar suas origens, outro conjunto de dados usado no jogo é desenhado a partir da classificação geográfica de uma área com base no clima, vegetação e solo ou tipo de rocha. “Isso começa a ter mais [sistema de informação geográfica] tipos de dados… e nós os utilizamos para mapear as espécies de Pokémon nos habitats apropriados”, explicou.

pokemon-4

pokemon-5

Mantendo os jogadores seguros

Desde o lançamento do Pokémon Go, houve um hype na mídia social sobre os jogadores que vão a extremos para capturar as criaturas.

De acordo com Hanke, no entanto, a segurança sempre foi uma prioridade. Um dos critérios para os portais do Ingress, que são agora Pokéstops e ginásios, é que eles sejam seguros e acessíveis ao público. “O objetivo é que eles sejam lugares seguros para pedestres”, explicou. No entanto, há relatos de jogadores do Ingress tendo problemas com as autoridades por estarem à espreita em locais estranhos.

Quanto ao Pokémon, os jogadores não devem ter que sair de seu caminho para capturá-los. “Nós também tentamos limitar a desova do Pokémon – não em rodovias, ou na proximidade do usuário para que eles não tenham que fazer nada fora do comum”, disse Hanke.

“Uma vez que o Pokémon é desovado (?), você pode tocar nele e começar a interagir com ele. Você não tem que ir mais longe do que onde você já está – partindo do princípio de que você está seguro”.

É claro que ter a cabeça permanentemente curvada sobre o seu smartphone não é a maneira mais segura de andar pelas ruas.

“Encorajamos as pessoas a manter suas cabeças erguidas e estarem cientes do que está acontecendo ao seu redor”, enfatizou Hanke. Quando o aplicativo é aberto, ele exibe um aviso para os usuários se manterem atentos. “É algo que você teria com aplicativos de exercício, ou aplicações geo-caching, ou aplicativos de mapeamento, nos quais as pessoas estão se movendo”, acrescentou.

Hanke disse que a Niantic espera encorajar as pessoas a ficar em segurança, ao mesmo tempo em que constroi um jogo que leva as pessoas para fora do sofá. “Estamos tentando encontrar um bom equilíbrio”, acrescentou.

O futuro do Pokémon Go e da realidade aumentada

Hanke tem planos de adicionar novos recursos imersivos ao Pokémon Go.

Em particular, existem planos para desenvolver Pokéstops e ginásios para adicionar profundidade ao jogo. Atualmente, é possível adicionar um módulo de isca em um Pokéstop para atrair Pokémon, mas recursos extras estão na fila.

“Nós imaginamos as equipes construindo seus ginásios e Pokéstops de determinadas maneiras e adaptando-os aos seus gostos”, disse ele.

pokemon-6

pokemon-7

A troca também faz parte dos planos. “Nós achamos que isso, em particular, vai trazer um monte de cooperação, competição e interações sociais entre as pessoas”, disse Hanke. “Algumas das características de design de jogos que temos em mente para os Pokéstops e ginásios são projetados com a ideia de encorajar a cooperação e a jogabilidade entre os jogadores da mesma equipe”.

Embora a tecnologia ainda não esteja madura, Hanke também vê o jogo potencialmente trabalhando com óculos de realidade aumentada.

“Muitos desses sistemas provavelmente só irão funcionar bem em ambientes fechados no começo”, disse ele. “Mas acho que, certamente, dentro de uma década, vamos ver que esse tipo de imersividade visual você poderá usar em ambientes abertos e jogar games como Pokémon Go, e ver o Pokémon aparecer em um contexto tridimensional”.

***

Ariel Bogle faz parte do time de colunistas internacionais do iMasters. A tradução do artigo é feita pela redação iMasters, com autorização do autor, e você pode acompanhar o artigo em inglês no link: http://mashable.com/2016/07/10/john-hanke-pokemon-go/#YD681H9gtmqZ

Mensagem do anunciante:

Conheça a Umbler, startup de Cloud Hosting por demanda feita para agências e desenvolvedores. Experimente grátis!

Source: IMasters

Categorizados em:

Este artigo foi escrito pormajor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *