Dockerizando aplicações – construa, lance e execute

agosto 8, 2016 5:00 pm Publicado por Deixe um comentário

Seguindo a lista do modelo 12factor, temos “Construa, lance, execute” como quinta boa prática.

Em um processo de automatização de infraestrutura de implantação de software, precisamos ter alguns cuidados para que o comportamento do processo esteja dentro das expectativas e que erros humanos causem baixo impacto no processo completo do desenvolvimento ao lançamento em produção.

release

Visando organizar, dividir responsabilidade e deixar o processo mais claro, o 12factor indica que o código base para ser colocado em produção deva passar por três fases:

  • Construa é quando o código do repositório é convertido em um pacote executável. É nesse processo onde se obtém todas as dependências, compila-se o binário e todos os ativos desse código;
  • Lance é quando o pacote produzido pela fase de construir é combinado com sua configuração. O resultado é o ambiente completo, configurado e pronto para ser colocado em execução;
  • Execute (também como conhecido como “runtime”) é quando um lançamento (aplicação + configuração daquele ambiente) é colocado em execução, iniciado com base nas configurações especificas do seu ambiente requerido.

Essa boa prática indica que sua aplicação tenha separações explícitas nas fases de Construa, Lance e Execute. Assim, cada mudança no código da aplicação é construída apenas uma vez na etapa de Construa. Mudanças da configuração não necessitam de uma nova construção, sendo apenas necessário passar pelas etapas de lançar e executar.

Dessa forma, é possível criar controles e processos claros em cada etapa, ou seja, caso algo ocorra na construção do código, uma medida pode ser tomada e até mesmo o lançamento dele pode ser abortado, para que o código em produção não seja comprometido por conta do possível erro.

Com a separação das responsabilidades é possível saber exatamente em qual etapa o problema aconteceu e atuar manualmente, caso necessário.

Os artefatos produzidos devem sempre ter um identificador de lançamento único, que pode ser o timestamp do seu lançamento (como 2011-04-06-20:32:17) ou um número incremental (como v100).

Com o uso de artefato único, é possível garantir o uso de uma versão antiga, seja para um plano de retorno ou até mesmo para comparar comportamentos após mudanças no código.

Para atendermos essa boa prática, precisamos primeiro construir a imagem Docker com a aplicação dentro, ou seja, ela será nosso artefato.

Teremos um script novo, que aqui chamaremos de build.sh. Nesse arquivo teremos o seguinte conteúdo:

#!/bin/bash

USER="gomex"
TIMESTAMP=$(date "+%Y.%m.%d-%H.%M")

echo "Construindo a imagem ${USER}/app:${TIMESTAMP}"
docker build -t ${USER}/app:${TIMESTAMP} .

echo "Marcando a tag latest também"
docker tag ${USER}/app:${TIMESTAMP} ${USER}/app:latest

echo "Enviando a imagem para nuvem docker"
docker push ${USER}/app:${TIMESTAMP}
docker push ${USER}/app:latest

Como podem ver no script acima, além de construir a imagem, ele envia a mesma para o repositório de imagem do Docker.

Lembre-se que o código acima e todos os outros dessa boa prática estão nesse repositório na pasta “factor5“.

O envio da imagem para o repositório é parte importante da boa prática em questão, pois isso faz com que o processo seja isolado, ou seja, caso a imagem não fosse enviada para um repositório, ela estaria apenas no servidor que executou o processo de construção da imagem, sendo assim, a próxima etapa precisaria, necessariamente, ser executada no mesmo servidor, pois ela precisará da imagem disponível.

No modelo proposto, uma vez que a imagem está no repositório central, ela estará disponível para ser baixada no servidor, caso ela não exista localmente. Caso você utilize uma ferramenta de pipeline, é importante que você, ao invés de utilizar a data para tornar o artefato único, utilize variáveis do seu produto para garantir que a imagem que será consumida na etapa de Executar seja a mesma construída no Lançar. Por exemplo, no GoCD, temos as variáveis GO_PIPELINE_NAME e GO_PIPELINE_COUNTER, que podem ser usadas em conjunto para garantir isso.

Com a geração da imagem, podemos garantir que a etapa Construir foi atendida perfeitamente, pois agora temos um artefato construído e pronto para ser reunido a sua configuração.

E etapa de Lançamento é o arquivo docker-compose.yml em si, pois o mesmo deve receber as configurações devidas para o ambiente que se deseja colocar a aplicação em questão. Sendo assim, o arquivo docker-compose.yml muda um pouco e deixará de fazer construção da imagem, pois agora ele será utilizado apenas para Lançamento e Execução (posteriormente):

version: "2"
services:
  web:
    image: gomex/app:latest 
    ports:
     - "5000:5000"
    volumes:
     - .:/code
    labels:
     - 'app.environment=${ENV_APP}'
    environment:
     - HOST_RUN=${HOST_RUN}
     - DEBUG=${DEBUG}
     - PORT_REDIS=6379
     - HOST_REDIS=redis
  redis:
    image: redis:3.2.1
    volumes:
     - dados:/data
    labels:
     - 'app.environment=${ENV_APP}'
volumes:
  dados:
    external: false

No exemplo docker-compose.yml acima usamos a tag latest para garantir que ele usará sempre a última imagem construída nesse processo; mas como falei anteriormente, caso utilize alguma ferramenta de entrega contínua (exemplo: GoCD), faça uso das suas variáveis para garantir o uso da imagem criada naquela execução específica do pipeline.

Dessa forma, lançamento e execução sempre utilizarão o mesmo artefato: a imagem Docker, construída na fase de construção.

E etapa de execução basicamente é executar o docker-compose com o comando abaixo:

docker-compose up -d

Source: IMasters

Categorizados em:

Este artigo foi escrito pormajor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *