Teste de usabilidade com protótipos

setembro 29, 2016 6:00 pm Publicado por Deixe um comentário

usability-testing-prototype

Protótipos interativos são uma ótima maneira de implementar testes de usabilidade para as fases iniciais de desenvolvimento de software. Mas você está fazendo do jeito certo? Confira o quê, como e por que realizar de testes de usabilidade com protótipos de alta fidelidade neste artigo.

A execução de testes de usabilidade em um protótipo interativo pode evitar o tipo de dores de cabeça da décima primeira hora que fazem com que o sangue de designers e desenvolvedores de software gele: retrabalhos de último minuto, lançamentos com bugs e, pior, perda de confiança das partes interessadas e investidores.

Mas para os testes de usabilidade funcionarem, eles têm que ser feitos da forma certa. A execução de testes em protótipos interativos requer uma abordagem diferente do teste codificado de software. Este artigo dá uma visão geral de quando, como e por que você deve executar testes de usabilidade em protótipos interativos.

Por que teste de usabilidade em protótipos interativos?

Usabilidade e experiência do usuário excelentes não acontecem por acaso (apesar de que seria conveniente para os desenvolvedores de software pressionados pelo tempo). Para criar um produto que demonstra UX impecável, testes de usabilidade, cenários de usuários e necessidades dos usuários têm de ser incorporados no processo de desenvolvimento do projeto desde o início. A última coisa que você quer fazer é ter problemas no teste de usabilidade de última hora quando o seu site ou aplicativo já está codificado e esperando para ser lançado.

Protótipos proporcionam oportunidades no estágio inicial para verificar funcionalidade, design, UX, marketing e estratégia de negócios, antes de codificar a sua solução final. Pode ser até 100 vezes mais caro mudar uma feature codificada do que de um protótipo, de acordo com o Web Usability. E o relatório do IEEE ‘Why software fails’ aponta que cerca de 50% do tempo de retrabalho poderia ter sido evitado se os testes tivessem sido executados nos estágios iniciais do projeto. Apresentar protótipos de usabilidade testados e validados para potenciais financiadores pode conquistar o investimento que de outra forma poderia ser perdido. Alguns de nossos clientes na Justinmind usam um protótipo de trabalho validado pelo usuário para trazer partes interessadas a bordo e para levantar fundos.

Quando executar os testes de usabilidade

Não há um único melhor momento para executar testes de usabilidade: alguns propõem testes de primeiros passos com protótipos de papel (veja este artigo para um guia prático sobre testes com protótipos de papel-caneta), enquanto outros falam de protótipos de alta fidelidade completo com interações, animações e capacidades de teste no dispositivo.

Também é possível, e às vezes desejável, executar várias rodadas de testes conforme você se move através de protótipos de fidelidade. Testes de usabilidade na fase wireframe podem garantir aos testadores focar nas porcas e parafusos reais da arquitetura de informação e dos fluxos de navegação, nos quais você pode então iterar até um protótipo de alta fidelidade e testar novamente.

Mas este artigo vai se concentrar em testes de usabilidade com protótipos de alta fidelidade, que permitem que você observe os usuários experimentando interações complexas e tarefas, teste soluções para os problemas que você encontrou mais cedo, e resolva as eventuais falhas dos últimos minutos.

Fatores de teste específicos do protótipo para manter em mente

Aviso: protótipos não são a resposta para todas as orações de usabilidade. Quando você está testando em protótipos, tenha em mente as limitações relevantes e, quando olhar para os dados colhidos, pense sobre como quaisquer fatores específicos do protótipo podem ter desempenhado um papel. Por exemplo, se você tiver incluído texto lorem ipsum em espaço reservado no seu protótipo, isso pode prejudicar as habilidades de navegação de alguns usuários; um esquema de cores mais ou menos bagunçado pode não ter os elementos intuitivos dos quais os usuários dependem. Manter essas questões potenciais em mente irá ajudar tanto a definir seus testes de usabilidade como a entender melhor os resultados.

Como executar testes de usabilidade

Chega de teoria; aqui está o lado prático para a execução de testes de usabilidade em protótipos de alta fidelidade. Você vai precisar de:

  1. Usuários de exemplo
  2. Protótipo interativo com características amigáveis de teste
  3. Um facilitador
  4. Observadores

1 – Usuários de exemplo

Você deve ter a sua persona de usuário escolhida e pronta para agir. Escolha os usuários desses grupos-alvo com a ajuda de ferramentas de teste de usuário ou seus próprios recursos. A chave neste estágio é o tamanho da sua amostra de teste; você pode pensar que é aconselhável fazer testes de usabilidade em uma amostra tão grande quanto possível de uma só vez. Quanto mais usuários você usa, mais falhas que você vai pegar, certo?

De acordo com o guru da usabilidade Jakob Nielsen, errado: “Os melhores resultados estão ao testar não mais que 5 usuários e executar o máximo de pequenos que você puder pagar“. A premissa básica por trás da afirmação de Nielsen é que os testes sem usuários te dão zero conhecimento durante o teste e apenas um te dá um aumento exponencial nisso. Cada usuário de teste adicional traz um número crescente de ideias repetidas, e uma diminuição do número de ideias originais. Nielsen ilustra isso com uma curva de gráfico bem agradável. Para ser justo, mais tarde ele revisitou suas descobertas em um artigo menos citado, mas igualmente importante.

Então seja lá qual for o seu orçamento para grupos de usuários, é melhor distribuí-lo através de vários grupos menores espaçados uniformemente ao longo do processo de design, em vez de investir todas as apostas em um enorme test-a-thon.

Assim como testar seus usuários-alvo principais, pode ser muito útil reunir alguns “usuários novatos” – pessoas que você não espera que usem o seu aplicativo ou software e descobrir se há um mercado para seu produto além do que você está enxergando. Esses novatos podem dizer mais sobre a usabilidade do que o seu principal mercado poderia.

Por último, a maneira de se comunicar com seus testadores é o eixo central para testes de usabilidade eficazes. Eles têm que ser capazes de descobrir as tarefas por conta própria, um modo objetivo e neutro deve ser usado ao dar tarefas. Uma instrução descritiva ( “você quer comprar uma blusa XL”) vai sempre obter os resultados de testes mais úteis do que uma instrução normativa ( “Vá para a aba Menu e clique em ‘Blusa’ no menu suspenso”). Apenas instruções descritivas irão fazer você saber se seus usuários estão intuitivamente navegando na interface ou não.

2 – Protótipo interativo com características amigáveis de teste

Dependendo do tipo de testes, e do produto que você está desenvolvendo, a sua ferramenta de prototipagem precisa dispor de características diferentes de teste. O mínimo é uma simulação de cenários, obviamente. O botão de simulação deve permitir que você trabalhe com o protótipo diretamente no navegador, o que permite que você realize testes remotamente ou pessoalmente. Além disso, a interação realista, as capacidades de teste no dispositivo e a simulação da tabela de dados também são vitais se você quiser que os usuários realmente experimentem o seu produto final. Se você deseja executar testes de usabilidade formais, provavelmente vai precisar de uma ferramenta de prototipagem que é integrada com uma ferramenta de teste de usuário.

3 – Um facilitador

Alguém com experiência no jogo de usabilidade. O facilitador precisa saber o suficiente sobre os usuários e seus hábitos para sentir quando ir mais fundo em um problema durante os testes e para ser capaz de gerir grupos de pessoas que podem ter visões conflitantes quanto às experiências.

4 – Observadores

É adequado para as equipes de design e desenvolvimento observar testes de usabilidade para que eles possam entender as reações dos usuários, sem mediação.

Como executar testes de usabilidade com uma ferramenta de prototipagem

Existem várias maneiras diferentes fazer o teste de usabilidade, mas todas têm alguns preceitos básicos em comum:

Use conteúdo realista

Usuários, tanto durante os testes e quanto no mundo real, dependem de conteúdo para ajudar na sua tomada de decisão; espaços reservados genéricos não são intuitivos para ninguém. Não é necessário ter 100% de conteúdo no projeto se isso não fizer sentido para o seu produto final. Aproveite o tempo para adicionar conteúdo realista, imagens e texto em seus protótipos de alta fidelidade antes do teste.

Use dados realistas

Como acima, os dados não realistas, na melhor das hipóteses, serão uma distração e, na pior, um obstáculo. Não é preciso muito esforço para preencher endereços de e-mail genéricos (nenhuma celebridade ou nomes de pirataria, como o UX Matters deixa claro!) e isso vai produzir resultados mais precisos.

Projete seus testes bem pensados

Pense sobre o tempo. Qualquer coisa entre 5 e 10 tarefas claramente definidas em uma sessão de 60-90 minutos é o típico. Você deve testar a funcionalidade do produto principal – procedimentos de login, funis de conversão e similares, antes de espalhar sua cobertura por todo o produto.

A maneira como você fala sobre suas tarefas ou perguntas também é crucial para a obtenção de resultados úteis. Escolha criteriosamente entre as tarefas diretas e os cenários (Tingting Zhao explica a diferença de forma concisa aqui), e tarefas fechadas ou em aberto: tarefas fechadas têm apenas um possível resultado positivo, enquanto que uma tarefa em aberto pode produzir alguns resultados e ainda ser definida como bem sucedida. Susan Farrell explica como e quando aproveitar essas diferentes tarefas aqui.

Seja qual for o tipo de tarefa que você faça, critérios de sucesso devem ser claramente definidos e acordados para cada um. Contas confusas de experiência do usuário, geralmente positivas, provavelmente não impressionarão as partes interessadas ou potenciais investidores. Eles vão querer ver as métricas e as taxas de sucesso preto no branco.

Moderar ou não moderar?

Protótipos, não importa o quão alta a fidelidade, nunca serão tão abrangentes quanto o aplicativo final ou o website. Os usuários provavelmente terão dúvidas sobre o que você quer fazer, ou como eles podem fazer. Ao testar um protótipo, você provavelmente vai querer moderadores lá para resolver essas incertezas e se certificar de que você não está perdendo tempo e dinheiro.

Aprenda com os fracassos, bem como com os sucessos

Um usuário “falho”, ou seja, um problema, pode dizer mais do que um usuário de sucesso, portanto, anote isso. Documentar em detalhes quais participantes do teste tiveram dificuldades e em que momentos vai ajudar a interagir com as interfaces mais rápido.

Três testes de usabilidade para protótipos de alta fidelidade

Descoberta de problemas

O teste de usabilidade clássico, descobrir o problema e dizer na lata – encontrar a usabilidade mais complicada e (com sorte!) dizer como corrigir. É como se você for o médico e a sua interface, o paciente. Um teste de descoberta de problema vai ajudar a fazer um diagnóstico e prescrever uma cura. Você pode fazer isso durante todo o processo de design interativo para obter melhores resultados.

Durante um teste de descoberta de problema, o facilitador deve monitorar problemas e, quando eles surgem, anotar e explorar as ações e as falas dos participantes. O facilitador deve ter a experiência necessária para analisar as observações com sensibilidade.

Rastreamento ocular

Graças a tecnologias como Crazy Egg, é possível não só saber onde os usuários estão clicando, mas também para onde eles estão olhando (nem sempre é a mesma coisa). Testes de rastreamento ocular podem dizer muito sobre a psicologia por trás do fluxo de navegação e são particularmente úteis para a compreensão de drop-offs e outras barreiras à conversão.

Competitivo

Você pode pensar que tem uma excelente interface, mas isso é uma proposição fraca se você não sabe contra quem está atuando. A execução de testes de usabilidade competitivos implica ter dois grupos de participantes realizando tarefas idênticas com aplicativos ou sites da concorrência. Você pode precisar ter uma amostra de estudo maior do que Nielsen para produzir dados significativos, então testes competitivos podem ser feitos remotamente se a sua ferramenta de prototipagem suportar isso.

Erros comuns ao realizar testes com protótipos de alta fidelidade

Intervindo no meio do teste

É uma situação comum – um participante do teste tem um problema e está lutando para completar uma tarefa. A tentação por parte dos desenvolvedores-observadores é parar o teste ou intervir. Mas assistir aos participantes lutando com o seu protótipo pode ajudar a resolver os problemas existentes. Perguntar aos usuários por que eles lutaram ou o que eles estavam tentando fazer irá produzir resultados mais interessantes do que segurar pelas suas mãos através do teste.

Resolvendo bugs ad hoc

Corrigir falhas sem primeiro avaliar todas as evidências nunca é uma boa ideia: ações baseadas em suposições mal formadas vão contra as boas práticas de teste de usabilidade. Uma abordagem melhor é usar a fase de testes do protótipo, observar e analisar tantos problemas quanto possível, sem interferir; então, você vai estar em uma posição mais forte para iniciar a codificação.

Conclusão

Não há nenhuma bala de prata para a obtenção de um software, app ou site instalado e funcionando livre de problemas. Mas essas práticas recomendadas ao testar protótipos interativos podem reduzir retrabalhos em códigos e percorrer um longo caminho para garantir que você execute testes de usabilidade significativos e eficazes.

***

UsabilityGeek é um blog de UX que faz a ponte entre pesquisa acadêmica e teórica e recomendações práticas e pessoais sobre como entregar uma ótima experiência de usuário. Eles convidam colaboradores e autores para oferecer um hub de dicas e insights de experts do setor. Esta tradução foi feita com autorização pela Redação iMasters. Você pode checar o original em: http://usabilitygeek.com/usability-testing-prototypes/.

Source: IMasters

Categorizados em:

Este artigo foi escrito pormajor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *