Veja como a nova versão do Docer Compose traz melhorias para o seu dia a dia

fevereiro 14, 2017 4:00 pm Publicado por Deixe um comentário

Olá, pessoal, tudo bem?

Conforme falamos em um artigo anterior, o Docker lançou uma nova versão, a 1.13. Com ela, vieram diversas melhorias, além da criação de uma nova versão no Docker Compose, que é a v3. Essa novidade é totalmente compatível com o Docker Swarm, que hoje é nativo na mesma engine no Docker. Então, agora com o Docker Compose podemos gerenciar nossos serviços através do Docker Swarm.

Agora com a V3 existe opção chamada deploy que é responsável por realizar as implantações e execução de serviços. Dentro dessa opção, temos as seguintes funções:

  • Mode
    • Onde é possível escolher a opção “Global” (um container por nó de swarm) ou “Replicated” (Onde posso escolher a quantidade de réplicas que estarão distribuídas entre os nós). O padrão é replicated.
    • Replicas
      • replicas: x
    • Global
  • Placement
    • Especifica restrições de posicionamento são elas:
      • node.id = idworker
      • node.hostname = nomeworker
      • node.role = manager ou worker
      • node.lables = nome
      • engine.labels = Sistema Operacional ou Driver
  • Update_config
    • Configura como devem ser as opções de atualizações dos serviços.
    • Parallelism: 5 #O Numero de containers que vão ser atualizados em paralelo.
    • delay: 10s #O tempo entre cada grupo de containers será atualizado
    • failure_action: pause ou continue #O que irá acontecer se a atualização falhar. O padrão é pause.
    • monitor: 0s # Duração após cada atualização para monitorar a falha. O padrão é 0s.
    • max_failure_ratio: #Taxa de falha para atualizar.
  • resources
    • Configura a restrição de recursos
      • limits:
        • cpus: ‘0.5’ # 0.5 representa 50% de um núcleo, porem pode ser 1 ou 1.5 ou 2….
        • memory: ‘512M’ #apenas especificar o prefixo M, G, K….
  • Restart_policy
    • Configura como reiniciar os containers quando eles derem exit.
      • condity: none on-failure any #Por padrão é any
      • delay: 0s #Tempo entre as tentativas de reiniciar o containers #Por padrão é 0s
      • max_attempts: 0 #Quantas vezes irá tentar subir o container antes de desistir #Por padrão é nunca desistir.
      • window: 0s #Quanto tempo demora para decidir se um reinicio foi bem sucedido  #Por padrão é imediatamente,

Além dessas opções, com a entrada da V3, foram descontinuadas as seguintes opções do Docker Compose: volume_driver, volumes_from, cpu_shares, cpu_quota, cpuset, mem_limit, memswap_limit.

Agora vamos demonstrar um exemplo de como ficaria o docker-compose.yml com essas opções que mostramos acima.

version: "3"
services:

  redis:
    image: redis
    ports:
      - "6379"
    deploy:
      placement:
        constraints: [node.role == manager]
  nginx:
    image: nginx
    ports:
      - 80:80
    depends_on:
      - redis
    deploy:
      mode: replicated
      replicas: 2
      placement:
        constraints: [node.role == manager]
      resources:
        limits:
          memory: 512M
      restart_policy:
        condition: on-failure
        delay: 10s

Executando o comando docker deploy –compose-file docker-compose.yml nomedastack, criamos a stack mencionada acima em nossa estrutura. Após executar esse comando, é possível dar um docker stack ls e você poderá ver que a sua stack foi criada. Com o nome dela, você pode executar o docker stack services nomedastack e poderá ver os serviços criados e qual o seu status.

Então, por hoje, era isso, pessoal! Espero que tenham gostado e qualquer dúvida é só deixar um comentário que estaremos felizes em lhe ajudar!

Source: IMasters

Categorizados em:

Este artigo foi escrito pormajor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *